Atari, o console que marcou uma geração

atari madeira woodySe você nasceu na década de 70 e 80, jamais se esquecerá dos dias em que passavam-se horas e horas jogando clássicos como Pac-man, River Raid, Pitfall!, Enduro, Adventure… E certamente já teve o seu Joystick quebrado jogando o Decathlon (aquele game das olimpíadas). Correto? Quem viveu aquela época sabe bem do que estou falando.
Divertido era trocar cartuchos de games com os amigos, ou fazer aquelas reuniões onde cada um levava os seus cartuchos ou fitas (como também eram chamados), e ficar várias horas em competições de corrida no Enduro, até ganhar o trofeuzinho. E chegava a hora em que os pais se irritavam, guardavam o console do vídeo game e mandavam todos embora.
Para você que viveu aquela época, relembre alguns clássicos que fizeram parte da sua história:
                       Pac-man
Come come, tradução popular do “Pac Man” é um dos grandes clássicos que ganharam legiões de fãs com o Atari e perduram até hoje. Seja em uma janela de navegador, emulador, videogame, provavelmente você já jogou ou ouviu falar dele. O objetivo do game, comer os pontinhos e evitar os fantasmas. O game é um dos primeiros a apresentar “animações” (bastante rudimentares, é claro) entre um nível e outro.Come come, tradução popular do “Pac Man” é um dos grandes clássicos que ganharam legiões de fãs com o Atari e perduram até hoje. Seja em uma janela de navegador, emulador, videogame, provavelmente você já jogou ou ouviu falar dele. O objetivo do game, comer os pontinhos e evitar os fantasmas. O game é um dos primeiros a apresentar “animações” entre um nível e outro.

                       Space Invaders
O sucesso do Space Invaders, que coloca o jogador em uma batalha pela sobrevivência dos habitantes da Terra, pode ser constatado pelos campeonatos mundiais do game que acontecem até hoje. A dinâmica do título inspirou diversos jogos e até projetos artísticos, como o space-invaders.com.O sucesso do Space Invaders, que coloca o jogador em uma batalha pela sobrevivência dos habitantes da Terra, pode ser constatado pelos campeonatos mundiais do game que acontecem até hoje. A dinâmica do título inspirou diversos jogos e até projetos artísticos, como o space-invaders.com.

Pilotar um Fórmula 1 é um sonho de muitos. O game Enduro sem dúvidas ajudou a ampliar essa vontade e dar o “gostinho” de conduzir um veículo em alta velocidade em uma corrida. A forma rudimentar da pista e dos carros não atrapalha nem um pouco sua diversão. Um dos avanços do game era a mudança de cenário conforme o andamento da corrida.Enduro
Pilotar um Fórmula 1 é um sonho de muitos. O game Enduro sem dúvidas ajudou a ampliar essa vontade e dar o “gostinho” de conduzir um veículo em alta velocidade em uma corrida. A forma rudimentar da pista e dos carros não atrapalha nem um pouco sua diversão. Um dos avanços do game era a mudança de cenário conforme o andamento da corrida.

Uma versão virtual do “a galinha atravessando a rua”, mas com um sapo como protagonista. A missão pode parecer simples, mas passar para o lado de lá neste game é uma aventura completa. O sapo precisa vencer uma movimentada rodovia e depois utilizar itens do cenário para transpor um lago.Frogger
Uma versão virtual do “a galinha atravessando a rua”, mas com um sapo como protagonista. A missão pode parecer simples, mas passar para o lado de lá neste game é uma aventura completa. O sapo precisa vencer uma movimentada rodovia e depois utilizar itens do cenário para transpor um lago.

Aqui surgiu o Mario. Aqui surgiu o gênero plataforma. Aqui apareceu o embrião das histórias nos games. Donkey Kong foi um jogo inovador em muitos sentidos, e lançou as bases de duas das franquias de maior sucesso da Nintendo até hoje: Super Mario Bros. e Donkey Kong. Seu objetivo nas fases do game era levar o Mario (então Jumpman) ao topo da tela para resgatar a princesa das garras do temível gorila.Donkey Kong
Aqui surgiu o Mario. Aqui surgiu o gênero plataforma. Aqui apareceu o embrião das histórias nos games. Donkey Kong foi um jogo inovador em muitos sentidos, e lançou as bases de duas das franquias de maior sucesso da Nintendo até hoje: Super Mario Bros. e Donkey Kong. Seu objetivo nas fases do game era levar o Mario ao topo da tela para resgatar a princesa das garras do temível gorila.

Controle um quadrado que usa uma seta como arma para matar aterradores patos gigantes. Ok, eram dragões, mas pareciam patos. Seu objetivo era destrancar os três castelos coloridos guardados por três tipos de dragões, encontrar o cálice e levá-lo ao castelo dourado. Foi o primeiro jogo a conter um "easter egg".Adventure
Controle um quadrado que usa uma seta como arma para matar aterradores patos gigantes. Ok, eram dragões, mas pareciam patos. Seu objetivo era destrancar os três castelos coloridos guardados por três tipos de dragões, encontrar o cálice e levá-lo ao castelo dourado. Foi o primeiro jogo a conter um “easter egg”.

Neste game o jogador controla um avião com a possibilidade de se movimentar pelo cenário. O objetivo, além de eliminar alvos, inclui se esquivar dos inimigos e sua artilharia e pegar combustível pelo caminho, evitando que a aeronave se espatife. Quanto maior a distância que o usuário conseguir percorrer, maior será seu número de pontos.River Raid
Neste game o jogador controla um avião com a possibilidade de se movimentar pelo cenário. O objetivo, além de eliminar alvos, inclui se esquivar dos inimigos e sua artilharia e pegar combustível pelo caminho, evitando que a aeronave se espatife. Quanto maior a distância que o usuário conseguir percorrer, maior será seu número de pontos.

Um ano após o lançamento do primeiro longa da série Indiana Jones, o Atari já ganhou sua versão de aventura, o Pitfall. No game o jogador controla um aventureiro que deve transpor obstáculos e animais perigos em uma selva nada amistosa. Pitfall chegou a ter um remake para PC, com visual mais moderno e desafiador, mas o sucesso não foi tão grande.Pitfall!
Um ano após o lançamento do primeiro longa da série Indiana Jones, o Atari já ganhou sua versão de aventura, o Pitfall. No game o jogador controla um aventureiro que deve transpor obstáculos e animais perigos em uma selva nada amistosa. Pitfall chegou a ter um remake para PC, com visual mais moderno e desafiador, mas o sucesso não foi tão grande.

Surgimento

O Atari surgiu em 1977 tendo como o auge das suas importações nos anos de 1981 e 1982, quando muitos – guardadas as devidas proporções – consoles apareceram por aqui e ocorreu a célebre importação e venda de um lote de Ataris comprados pelos dois grandes magazines da época, o Mappin e a Mesbla.
O ano 1983 foi do início da “febre” dos videogames aqui no Brasil. As empresas começavam a se mexer para começar a fabricação dos aparelhos. A primeira grande indústria a anunciar e colocar a venda o seu aparelho foi a Philips, com o videogame Odyssey, em Maio de 1983. Uma coisa que poucos sabem é que o primeiro videogame com o hardware compatível com o Atari lançado foi o Top Game, da Bit Eletrônica, em 1981 ainda. Podemos considerá-lo como o primeiro videogame de fabricação nacional. Porém, talvez temendo problemas legais, a Bit Eletrônica mudou o tipo de conector do cartucho. Evidentemente isso não deu muito certo porque impedia de usar os cartuchos do Atari diretamente. Depois a Bit lançou um adaptador para colocar cartuchos Atari “normais” mas ai já era tarde.
Então, o primeiro console realmente compatível com o Atari lançado no mercado foi o Dactari, fabricado por uma empresa chamada Sayfi Eletrônica. A Sayfi lançou o “TV Computer System 2600-A” em maio de 1983, com baixa produção inicial. A intenção era aproveitar o “vazio” de mercado, pois outros consoles compatíveis com o Atari seriam lançados somente no segundo semestre de 1983. Com um design praticamente copiado do Atari 2600 original, a Sayfi se deu bem. Os primeiros lotes foram comercializados exclusivamente pelas lojas Computerland. Posteriormente a Sayfi mudou de nome, e provavelmente de dono, e se tornou a Milmar Eletrônica. E a Milmar lançou depois o Dactar (sem o “i” no final) com design um pouco modificado, mas não muito diferente do Atari original; o Dactar II, igual ao Dactar mas com o painel metálico; e o famoso Dactar Maleta, também conhecido como Dactar 007. Este foi uma idéia bem interessante: fazer um Atari embutido numa maleta. Talvez a idéia tenha surgido das maletas que se comercializavam na época: maletas de madeira ou couro para colocação do console, controles e cartuchos. A Milmar resolver embutir o circuito do Atari direto numa mala ! Sem dúvida, foi uma idéia única.
Mas a Sayfi não ficaria sozinha por muito tempo. A Dynacom, então na época uma pequena empresa e uma das pioneiras na fabricação de cartuchos nacionais, anunciou o lançamento do seu console compatível com o Atari: o Dynavision. Este tinha um design totalmente original e diferente, era bem robusto e tinha características atraentes: entrada dos controles pela frente do console, botões e controles vistosos e um circuito melhorado que “silenciava” a TV quando o videogame era desligado para a troca de cartuchos, evitando o incômodo chiado. E também acompanhava o console o famoso controle Dynastick. Era um controle resistente, anatômico, com botão de tiro duplo e com ventosas para fixação. Embora alguns “torcessem o nariz” para o controle, ele era de fato de ótima qualidade. A Dynacom mostrou um protótipo do Dynavision na UD de 1983. Aqui um parenteses: saibam que a UD (abreviação de Utilidades Domésticas, era uma espécie de mostra de equipamentos eletro-eletrônicos) naquela época não era igual agora. Naquela época a UD era apenas uma feira de “demonstração”, mostravam-se os produtos que seriam lançados, e não se vendia nada. Por isso, as diversas empresas mostravam os videogames – geralmente protótipos – mas nenhum era vendido na UD.

O segundo semestre de 1983 foi a largada definitiva dos videogames por aqui. A Dynacom lançara seu Dynavision em agosto de 1983. Mas o grande lançamento, a grande sensação do ano chama-se Polyvox. A Polyvox, uma empresa pertencente ao grupo Gradiente, que até então era especializada na venda de aparelhos de som, assinou um contrato com a Atari Corp. dos EUA, para a distribuição oficial do Atari 2600 Video Computer System no Brasil. Contando com toda a estrutura de uma empresa de porte, a Polyvox não deixou por menos, fez uma grande campanha publicitária, com comerciais, anúncios, panfletos etc, e lançou, no final de agosto de 1983 o tão esperado Atari 2600 VCS nacional. Junto com ele vieram também 28 cartuchos, todos da Atari, com caixa, manual e acabamento impecáveis, como os norte-americanos. Porém isto implicou num custo maior para esses cartuchos. Apesar disso, a Polyvox inundou o mercado com milhares de consoles e cartuchos em 1983. Talvez devido a grande produção o custo não tenha ficado tão exagerado assim.

Obviamente que o grande alvo dos fabricantes era, então, o Natal de 1983. E de fato eles não estavam errados. O mercado brasileiro, que há muito tempo anseava pelo consumo dos jogos, deu a resposta que os fabricantes queriam: uma corrida as lojas para garantir o seu console de videogame e os seus jogos. Diziam na época que, se conseguissem aumentar a produção tudo seria consumido. E ainda considerando que não existiam somente consoles compatíveis com o Atari, existiam o Odyssey, da Philips, o Intellivision da Digiplay/Sharp e o Splicevision da Splice.

Comentários